Amor(es) Verdadeiro(s), de Taylor Jenkins Reid

Aos 17 anos Emma era perdidamente apaixonada por Jesse e quando ele, finalmente, olha para ela a sua história de amor se inicia. Os dez anos seguinte são de pura felicidade, em que eles viajam o mundo todo e Emma finalmente abandona suas raízes de Acton, sua cidade natal, e passa a morar na Califórnia com Jesse logo após o fim da escola. Mas aos 27, após um ano de casados, Jesse entra em um helicóptero e nunca mais volta.

Neste trágico acidente, a vida inteira de Emma muda. E três anos depois, vivendo um novo grande amor e prestes a se casar, Jesse reaparece: após todo o luto, toda a dor e recomeço, Emma descobre que Jesse estava vivo o tempo todo - e estava tentando voltar para ela.


Título: Amor(es) Verdadeiro(s)
Autor: Taylor Jenkins Reid
Editora: Paralela
Páginas: 353
Ano: 2020
Nota: 5/5

A primeira coisa que você precisa saber sobre esse livro é que ele não é um triângulo amoroso, embora possa parecer pela sinopse. A segunda, Amor(es) Verdadeiro(s) se tornou meu novo livro preferido da vida toda. Eu já havia lido Taylor Jenkins Reid pela primeira vez esse ano, com Os Sete Maridos de Evelyn Hugo, e eu sabia o quanto ela é uma escritora fantástica - mas Amor(es) Verdadeiro(s) foi para mim mais do que um enredo bem contado, do que uma história bem escrita, foi uma experiência de vida e eu quero compartilhar isso com vocês em detalhes.

Quando você perde alguém que ama, é difícil imaginar que algum dia vai se sentir melhor. Que um dia vai estar de bom humor só porque o tempo está gostoso ou porque o barista do café da esquina sabe de cabeça qual é a sua bebida favorita. 

O livro é narrado em capítulos fluídos divididos em grandes partes da vida de Emma: Jesse, Sam, a volta de Jesse e o final, com sua decisão sobre quem ela vai ficar. E, por isso, eu realmente achava que se trataria de um livro com triangulo amoroso. Mas foi só começar a ler que percebi que a história trata especialmente de dois temas: luto e mudanças.

Após o acidente de Jesse e sua suposta morte, Emma se transforma em uma pessoa muito diferente. De repente, ela se vê desejando voltar a morar na cidade em que crescer, querendo construir laços verdadeiros com sua irmã com quem nunca se deu bem, querendo trabalhar na livraria de seus pais, destino do qual antes ela fugia totalmente. E todo o seu luto, toda a sua dor de perder um grande amor, é extremamente doloroso de ler.

É terrível se sentir oca e vazia quando você estava acostumada a ser tão cheia de alegria. Mas não é tão ruim para quem estava cheia de dor.

A autora vai fundo nos sentimentos da protagonista, expondo dores inimagináveis, o que fez com que em vários momentos eu tivesse que parar a leitura para poder apenas respirar e administrar tantos sentimentos. E eu amei cada minuto. É sempre tão difícil ler um livro que trata de luto de uma forma tão bem escrita - mergulhando profundamente nos sentimentos e não apenas em uma dor superficial.

E quando Jesse volta, por um momento, eu achei que toda essa profundidade iria se perder em um triangulo amoroso, nas dúvidas de Emma entre fica com Jesse, seu grande primeiro amor, ou com Sam, um homem incrível que a conquistou completamente, que a ama profundamente, que a compreende, que a aceita, que faz ela se sentir em casa.

Mas então a Taylor dá outra tacada: não se trata de triangulo amoroso, se trata de Emma descobrir em quem ela se transformou: em uma nova pessoa que Jesse não conhece, ou ela ainda é aquela Emma que viajava o mundo e que não se importava em ter raízes que Jesse amava e conhecia? Quem ela é? E quem ela quer ser?

As coisas boas não esperam até a gente estar pronto. Às vezes chegam antes, quando estamos quase lá. E eu concluí que, quando isso acontece, temos duas opções: deixar passar, como se fosse o ônibus errado. Ou então ficar pronto.

É impossível você não se colocar no lugar de cada personagem, em cada momento da história. Desde o Sam, que agora corre risco de perder a mulher que ama, até Jesse que foi o cara que fez de tudo para voltar até Emma e agora a encontra com outro, seguindo sua vida. E os personagens erram e tomam atitudes que pode ser até que você pense: ele não deveria fazer isso. E talvez não devesse mesmo. Mas naquele momento da leitura eu não conseguia julgar nenhum deles, não conseguia dizer o que faria em seu lugar, pois já me sentia tão íntima de seus sentimentos, suas dores, suas alegrias, que eu apenas aceitava suas ações, sem julgamentos

Por fim, para mim a grande lição que tirei desse livro foi: nem sempre a dor nos transforma em alguém pior. A dor de Emma a transformou em uma pessoa da qual ela se orgulha: uma pessoa bem resolvida que, embora profundamente ferida, tenta ser feliz a qualquer custo e que não quer magoar ninguém. E, na minha experiência de leitora, são poucos os personagens que fazem esse caminho diferente, no qual a dor não os transforma em alguém machucado que não se importa de machucar os outros e que se fecha para o mundo.

Ninguém se amarra a alguma coisa a não ser por medo de perdê-la.

Amor(es) Verdadeiro(s) foi para mim uma experiência profunda em meus sentimentos, como uma terapia na qual eu pude rever muito do que eu pensava sobre a vida, experiência e sentimentos que guardo em mim. Foi um sentimento de acolhimento e compreensão. E aquela sensação de que eu vou reler esse livro muitas vezes ainda.

Mas, tudo isso foi minha experiência - e isso não significa que para você vai ser assim também. Mas de todo modo, mesmo que essa história não seja para você tudo isso, ela ainda assim vai ser, com certeza, uma boa história para ler. 

O livro foi lançado apenas em e-book ainda, mas após a quarentena deve sair em físico. 

Leia Amor(es) Verdadeiro(s) e outros livros da Taylor Jenkins Reid:



*e-book cedido pela editora para resenha através do netgalley.

Se inscreva na newsletter e receba conteúdo exclusivo


12 Comentários

  1. Oi, Aléxia

    A pré-venda do físico saiu ontem, vi na Amazon. Eu li apenas um livro da autora até o momento que foi Daisy Jones and The Six e não foi uma leitura tão maravilhosa quanto falam. Pra mim, óbvio. Mas a escrita da autora é maravilhosa e peguei este na NetGalley para ler. A proposta faz bem mais meu estilo de leitura e há grandes chances de eu também favoritar. Vamos ver!

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.comw

    ResponderExcluir
  2. Oi, Lex!
    Achei a premissa bem parecida com O Preço da Verdade, da Lety Friederich. Nele, a protagonista também está tentando superar a morte do marido e descobre que ele está vivo. Mas as semelhanças param por aí, porque nesse livro a narrativa vai mais para um lado policial do que emocional haha.
    Achei a história interessantíssima e fiquei curiosa para saber o que aconteceu com o Jesse! A resenha ficou ótima :D

    Estante Bibliográfica

    ResponderExcluir
  3. Esse livro parece muito legal. Adorei a dica de leitura.

    Big Beijos,
    Lulu on the sky

    ResponderExcluir
  4. Oiii Lex

    Essa autora é incrivel, todos os livros dela trazem algo novo, mais profundo, que faz o leitor se envolver completamente. Esse mês pretendo conferir Amores Verdadeiros e tb o da Evelyn Hugo, e tenho certeza que ambos vão me encantar.

    Beijos, Ivy

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Aléxia
    Me conta aí pra quem você torceu e com quem ela fica, quero spoilers hahaha
    A história me lembrou um pouco, mas bem pouco, Ame o que é seu, da Emily Giffin, que é um livro extremamente bom. Infelizmente eu não tenho muito interesse nas obras dessa autora, ela ainda não me desperta nenhuma atenção. É uma pena porque todo mundo parece amar.
    Beijo
    https://www.capitulotreze.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá...
    Eu amei sua resenha! Deu pra sentir através dela o quão essa leitura foi proveitosa pra você!
    Eu AMO essa autora, mas, vou esperar chegar a edição física e espero que não demore muito kkk...
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Olá, Aléxia.
    Eu li o da Evelyn Hugo e amei. E por isso quero ler esse livro. Só que estou com medo de ler e me emocionar muito, o que estou meio que fugindo nessa quarentena. Já fico aqui imaginando a situação e sei que será uma decisão muito dificil. Mas assim que der vou ler ele.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  8. Oii
    Nunca li nada da autora mas sempre vejo resenhas positivas dos livros dela. Não conhecia essa história mas parece ser bem interessante. Já deixei anotada para ler futuramente.

    Beijinhos!!
    https://focadasnoslivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Olá Alexia,

    E não conhecia , gostei muito da premissa e fiquei interessado, dica anotada.


    Bjs.

    http://devoradordeletras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Já fiquei chocada com essa sinopse a lá Náufrago, haha.
    É realmente interessante em quem Emma se transforma diante do luto, pois é muito comum vermos personagens do tipo "antes eu sofria, agora sou fria".
    Sempre ouço falar muito bem dessa autora, inclusive, Os Sete Maridos de Evelyn Hugo está na minha wishlist, e agora coloquei também Amor(es) Verdadeiro(s). Amei sua resenha!
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
  11. Amiga do céu, você arrasou demais nessa resenha.
    Consegui sentir tudo o que você sentiu, consegui ver o carinho que você sente pela obra.
    Também gostei muito do livro, mas algumas coisas me deixaram meio braba (já discutimos muuuuito sobre, né? hahaha). Mas realmente, é uma boa história para se ler. Imagino que tudo o que ela escreve deve trazer essa sensação.

    Beijo! <3
    https://www.roendolivros.com.br/

    ResponderExcluir